sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

| sobre razões, aprendizagem, beleza e o meu sapatilhar |

É que depois de um e-mail louco e grosseiro que eu recebi eu perguntei a mim mesma a razão de eu ter criado o Sapatilhando.

Tem coisas que me chocam. Confesso. Já andei por meio mundo, mas tem coisas que me chocam. Não sou puritana (apesar de ter cara de) ou santa (apesar de ter cara de). Mas o único sentimento que eu acho que cabe à gratuidade é o bem-querer. É o carinho que se tem por um total estranho pelo simples fato de ele ser um ser vivo como você.

Pense: você é um ser que cabe dentro de um tempo limitado. É isso. Esse é o seu tempo aqui. Um caminho que vai do ponto A ao ponto B.

Para que gastar seu percurso com coisas ruins? Não entendo. E me choco com pessoas que não caçam seus sorrisos por si mesmas. Ou que são grosseiras gratuitamente.

Estava relendo Alice no País das Maravilhas, e confesso que o acho maravilhoso por vários motivos, mas sabe o que eu acho mais intrigante nele?

Sempre que a Alice queria ficar maior ou menor ela tinha que comer ou beber alguma coisa. Seu tamanho dependia do que ela comia ou bebia.

E assim como as metáforas do livro encantado de Alice, a vida também funciona assim.

Eu sou o que como e o que bebo (algo que vai muito além do sentido literal e ultrapassa todas as fronteiras do simbólico). Mais que isso, eu sou do tamanho do que como ou bebo.

Aí acho que cabe a cada uma escolher o que irá comer ou beber, né? Eu só sei que o que como e bebo me traz sorrisos. E isso é o mais importante que se possa saber sobre mim.

Sorrio sempre.

Meu pai conta uma historinha para mim desde que eu era pequena: sobre o pessimista e o otimista. Ele diz que o pessimista ganhou uma bicicleta e ficou todo pesaroso, se maldizendo, porque de todos os presentes que poderia ganhar, foram lhe dar um que só usaria de vez em quando e ainda com risco de ser atropelado ou roubado. O otimista ganhou um saco de estrume. Achou estranho, mas depois de refletir por um minuto, se lembrou que nunca tinha pensado em fazer um pequeno jardim em sua casa e que agora seria uma boa hora para fazê-lo.

E aí está: o otimista vê uma boa saída mesmo em meio à merda.

Por que criei o Sapatilhando?

Porque eu penso melhor quando eu escrevo. Porque eu ainda tenho que criar forças para um monte de coisas que vou enfrentar. Porque ninguém nesse mundo me vê como lésbica e até pouco tempo atrás eu não tinha convencido nem a mim mesma. Porque quando eu escrevo me dirigindo a quem quer que acabe por ler o que eu escrevo, eu acabo me dirigindo a mim mesma: e acabo falando para mim coisas que preciso escutar.

Eu me alimento de coisas boas. E a vida é linda sim. A vida é linda apesar de.

E mesmo que eu seja muito auto-suficiente, eu só sei viver pelo que me toca.
São os outros seres que enfeitam minha vida – seja o autor que estou lendo, a música que escutei, as travessuras do meu cachorrinho, o abraço da amiga, o ‘vamos tomar um sorvete?’ do meu pai, o testemunho que li no Parada Lésbica, a esperança de um amor, a boa notícia do meu irmão, o abraço que vi um casal dar hoje...

A beleza está sim nos olhos de quem vê.
E eu vejo beleza em muito.

Tá certo que de vez em quando me acham boba e inocente por isso, mas não tem galho não. Rs. Acho que a vida até que necessita de um pouco (ou muito) de bobagem e inocência.

E eu aprendo sempre. Aprendo muito.
Fico pensando que se a gente está aqui usando um tempo determinado, é obrigação nossa nos melhorar ao longo desse tempo. Senão, para que tê-lo? Oo

Eu, não-Helena, confesso: AINDA ESTOU APRENDENDO A SER LÉSBICA.

Da mesma forma que ainda estou aprendendo a ser ser-humano.

E quem quiser dar as mãos comigo para ver as belezas e aprender a superar as dificuldades desse caminho, sejam bem-vindas!

Eu Sapatilho sim! Danço e estou dançando!
E sonho com uma moça que está por aí, também cuidando de ver coisas belas e também cuidando de si e do seu sorriso. Também aprendendo a ser lésbica e a ser humana.

E um dia nossos caminhos se cruzarão e enfeitaremos a vida uma da outra pelo tempo que nos for dado.

Eu sei viver muito bem sem ela e ela sabe viver muito bem sem mim. Mas, no dia em que nos conhecermos, acharemos muito difícil viver sem a outra.

Porque o amor é assim: eles nos mostra um pedaço que nem sabíamos que estava faltando.

Até lá, minha querida, não me preocupo.
Porque acho mesmo que tudo acontece quando deve acontecer.
E porque estou cuidando de mim e sei que você está cuidando de você.
E, acima de tudo, sei que nos reconheceremos.

E no dia em que estivermos nos sentindo sozinhas, como hoje eu estou, não é porque deixamos de acreditar: é apenas cansaço.

Amanhã não estarei mais cansada e minha solidão se terá ido.


___________________


|| The Corrs - Would you be happier. essa música sempre me faz bem. põe as coisas em perspectiva! :]


| cartum |
Miguelito mostrando que a gente tem sim que saber de nossa própria importância! rs








| A doce Nara. Porque quando eu penso em leveza ela me vem à cabeça.

Nara Leão - Com açúcar, Com afeto.




clique aqui.

11 comentários:

K. (Incompletudes) disse...

Me lembrei de uma frase de um livro que li, da Muriel Barbery, que se chama a Elegância do Ouriço. Você já leu esse livro? De repente me deu vontade de pedir pra vc ler...rs..rs.. pra "sugar" suas impressões. É um dos livros que li que mais gostei (nos últimos dois anos).

Enfim, a frase diz assim:

"Por mais que eu saiba que o mundo é feio não tenho vontade de vê-lo".

Deita aqui no meu colo que te faço um cafuné para a senhorita descansar e ter bons sonhos...


beijo a ponta do seu nariz. :)

luisa soler disse...

adorei o cartoon do miguelito. rss.
---
ah.. ninguém nasce sabendo como lidar com o mundo e seus conflitos né? Acho mesmo que foi uma ótima idéia criar o 'sapatilhando' e se está te fazendo bem e se vc recebe um feedback positivo (sei que recebe), é o que importa.
A gente aprende a lidar com a própria sexualidade (e todas as coisinhas que vêm dela) todo o dia. E não se trata de ser bem resolvido ou não. Há 'n' questões a serem discutidas e repensadas.
Estar solteiro é muito bom. Depende muito de como encaramos. E realmente.. para ingressar num relacionamento sério, precisamos estar bem e em paz com nós mesmos. Caso contrário, turbulências virão, e das brabas.
Enfim...

um beijo.

Flôr de Azeviche disse...

Oiee, primeiro de tudo... Esse post foi o post...
Esse cd da Nara foi uma ótima escolha. Já ouvi algumas vezes, e, agora tive a oportunidade de ter pra mim =), valew

Me perdoe pelos tempos sem aparecer, mas estava concertando a minha vida rs, acho que isso responde a sua pergunta no seu post passado. Estou beeeeem, mais que bem seria a palavra, e melhor, sozinha.

Beijos e estarei de volta firme e forte como antes ^^ esse blog é um dos meus preferidos ;]

Kika_L disse...

Oi
Eu lembrei de uma historia que me contaram:
Um cara perguntou pro O'Sensei Ueshiba quando ele ia chegar ao maximo de conhecimento no aikido e O'Sensei respondeu "quando eu der o meu ultimo suspiro nessa vida".
A gente nunca para de aprender sempre tem uma coisa nova e acho que isso que da a graça na vida.

E realmente ta faltando inocência no mundo nem as criança sao tao inocentes mais.

Voce tambem não fala só coisas que precisa ouvir mais tambem coisas que os outros precisam ouvir, e quando os outros ouvem voce percebem que o que eles pensam não é infudado (Deu pra entender?)

É isso ai fica bem, boa semana pra ti.

Jéssica disse...

É assim tb comigo...eu que me julgo com uma capacidade de compreensão tão grande não consigo entender como certas pessoas passam a vida a gastar seu tempo...

bjos, helena!

linda vida pra vc!!!!

Xu disse...

Nossa, vc eh realmente inoscente.
Nossa, vc eh realmente otimista.
Nossa vc eh realmente esperancosa.

Estava meio desanimada esses dias porque nao sei dancar...deve ser porque nao achei o par certo ainda neh?

Belo texto-desabafo-sugestao.
Helena, seu nome eh muito bonito.Bj

:S!(g²): disse...

eita dona! =]
ainda bem que entendendo que tudo nessa vida passa, fica mais fácil levar a solidão diária, já que de um dia para o outro ela muda... como tudo, na verdade. =]
meu final de semana tb foi de reflexão e solitude. e além de escrever, me permitir um bom porre! HAHAHAHAHA! em comemoração ao dom da vida, a solteirisse, aos deleites dessa vida e às dificuldades tb. afinal, é nessa dança de comprimir e soltar, avançar e regredir que a gente se forma como um 'sendo'-humano. =]
boa semana pra ti, dona.
beijo grande.

Anônimo disse...

*----*

Dra. Gô disse...

Guria, cheguei hoje no teu blog vindo sabe-se lá de onde e gostei bastante das tuas palavras. Também curto uma cozinha e quero me dedicar ainda mais a isso. Quanto a ser lésbica é um aprendizado constante: mulheres são um enigma e se é dificil nos entender imagine entender outras! Mas valha-me Deus! O conhecimento só é perfeito quando é constantemente renovado e apreendido.
Boa semana a vc,
Bjos da Dra.

Boudeccá disse...

Pra mim, tudo q vc escreve é simplesmente lindo e perfeito. Você é uma pessoa linda demais. Beijo grande!

c`est la vie disse...

ja vi q tem ótimo gosto musical...
eeeeeeeeee