sábado, 30 de maio de 2009

| da série: o seu tempo e o que ele lhe diz |

...mas primeiro, um pequeno Oi 

Oi, meninas, tudo bem??  :]

Mil desculpas pela ausência tão longa aqui do blog!! Ainda mais depois de eu ter prometido estar aqui com mais frequência... Mas quando eu disser o motivo, juro que vocês vão me perdoar, viu? rs

Tive um problemão com o apartamento que tinha alugado e depois de reuniões com advogado e revisão de contrato tive que me mudar com certa urgência. Então, já viu! Minha vida deu uma reviravolta!!!

Mas tudo acontece por uma razão, já estou de casa nova e melhor do que antes! então, vamos lá!!! 

Brigadão pela companhia sempre, viu? :*

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

:: O TEXTO ::

Eu não sei se você já parou para pensar sobre o tempo. Sobre o que ele dita e permite. Se nós formos falar de coisas mais metafísicas, não é difícil entender que em um mundo aonde o tempo existe, existe também, claro, toda e qualquer dualidade. 

A felicidade e a tristeza, a saúde e a doença, a calma e a tensão, o sono e o acordar, o claro e o escuro, os sonhos e a realidade.

O tempo, querida, é divisor de si mesmo.
Ele existe para que tudo comece e para que tudo termine.

Ele existe para que você perceba a importância do que cabe dentro dele.

Não sei se conseguirei expressar o que sinto em relação a tudo isso, mas se eu conseguir te fazer refletir sobre o que acontece em sua vida, já ficarei feliz.

Porque a questão é que muitas de nós não percebemos que as coisas acontecem sim por uma razão.

Não falo do Bem ou do Mal.
Falo de uma jornada, um caminho, uma trilha que tem, na verdade, dois únicos objetivos: te fazer sentir e te fazer refletir.

Porque é isso, entende?
Sabe aquela pergunta secular: Qual o sentido da vida?
O sentido da vida é precisamente esse: TE FAZER SENTIR E TE FAZER REFLETIR.

É por isso que você está aqui.
É por isso que você está existindo dentro desse tempo que lhe é dado.

Há algum tempo atrás, eu confesso, eu buscava porquês.
Eu queria entender a razão das coisas.
E em minha angústia eu repetia em um desespero interno: Por quê? Por quê?

Mas a resposta para todos os porquês existentes é na realidade aquela resposta que toda criança sabe: porque sim.

É quase como se a razão de uma coisa fosse ela mesma, entende?
É como disse um sábio uma vez: A razão de uma melancia, é ser melancia.

Porque a cadeia dos fatos que acontecem na tua vida, têm haver com ações e com reações. Têm haver com dormência e com acordar. Têm haver com quedas e com a necessidade de aprender a levantar depois de cair. Têm haver com engatinhar e com caminhar.

Meu pai é um cara incrível, sabe?
Um dos seres humanos mais lindos que conheço.
Acontece que quando o meu irmão mais velho, primeiro filho dele, estava começando a aprender a andar, toda vez que o neném aparentava que ia cair, lá vinha meu pai correndo com um travesseiro na mão para que o bebê não se machucasse.

Essa fofa situação continuou até que, graças, a pediatra disse ao meu pai:

- Se você não deixar que ele caia no chão e se machuque, ele nunca vai aprender a caminhar sozinho.

Eis a questão, querida.

Este é um mundo de dualidades.
Um mundo cheio de dores e, por isso mesmo, um mundo também cheio de sorrisos.

Sabe a historinha do copo pela metade?























Você pode escolher vê-lo como meio cheio, ou pode escolher vê-lo como meio vazio.

Essa é uma decisão sua.

Mas eu lhe digo uma coisa: quem vê o copo meio cheio sempre tem água para beber.

O mundo não está aqui para lhe passar a mão na cabeça.
A vida não existe para lhe trazer um travesseiro sempre que você correr o risco de se machucar.

Pelo contrário: a vida tem obrigação de te sacudir. De balançar as tuas estruturas. De te fazer questionar o que você tem e o que você deixa de ter.

Sei que não sei das tuas dores, da tua história e nem mesmo dos teus sorrisos, mas vá por mim: quando a gente sente e reflete sobre esse sentir, a gente muda; a gente cresce e, mais importante ainda, a gente se situa perante a nossa própria vida, podendo assim valorizar o que temos e correr atrás do que ainda não temos.

O tempo, querida?
O tempo continuará a passar independente das tuas ações.

Sabe por quê? 
Porque ele já sabe o que faz: ele sabe que tem que lhe deixar aprender a caminhar sozinha.


~~~~~~~~~~~~~~

Com tudo o que aconteceu, andei atrasando a minha coluna lá no Parada Lésbica também, mas hoje postei uma conversinda (sim, com voz! rs) por lá! Quem puder, dá uma passadinha por lá também, tá?

É só clicar AQUI.

Um grande beijo, queridas!
Obrigada mais uma vez por não desistirem de mim!
E agora estou sim de volta para valer! ;]

________________

| A sempre perfeita, Marisa Monte!
Dois cds que escuto sempre e que são verdadeiramente uma delícia! :]


Infinito ao meu redor (2008)





clique aqui






Infinito particular (2006)




clique aqui