segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Como diz a Bíblia

* (texto publicado hoje no Parada Lésbica)

Bíblia, Deus, Homossexualidade Respeito e Amor: porque eu creio que Deus é maior que tudo, inclusive rótulos.

“Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.” Jo 13.34.


Neste texto, falarei sobre duas coisas: sobre o documentário “Como diz a Bíblia” e sobre a crítica do blogueiro Matheus Viana ao livro da escritora lésbica Lúcia Facco.

Como geralmente quem pretende defender ou criticar algo deve minimamente dizer quem é e o que faz, como maneira de fortalecer seus argumentos, digo-lhes que sou formada em Jornalismo, com Pós-Graduação em Comunicação e que sou Mestre em Psicologia. Também morei na Inglaterra e nos Estados Unidos durante alguns anos. Já estudei na Argentina e apresentei trabalhos acadêmicos na Itália. Sou professora, tradutora e escritora. Sou também filha, irmã, amiga, esposa, lésbica e o mais difícil de todos os títulos: ser humano.

Dito isso, se quiseres saber o que tenho a dizer sobre esses assuntos, por favor, continue a leitura.


“A ti também, Senhor, pertence a misericórdia; pois retribuirás a cada um segundo a sua obra.” Salmos 62:12


O DOCUMENTÁRIO: “Como diz a Bíblia” (For the Bible tells me so – 2007) é um filme transformador. Nele, vários estudiosos, religiosos e indivíduos comuns vêm relatar não apenas as suas vivências enquanto cristãos, mas como se deve realmente ler um Livro tão incrível e complexo como a Bíblia.

Feito de forma extremamente cuidadosa, o documentário mostra as passagens da Bíblia que geralmente são usadas contra homossexuais e o que essas passagens na realidade querem dizer.

Não se trata de uma ‘leitura da Bíblia em favor da homossexualidade’, mas de chamar atenção para a verdadeira forma de se ler a Bíblia. O filme nos mostra que um Livro escrito a tantas mãos e pertencente a outro tempo e mundo e, principalmente, tão cheio de metáforas, não pode nunca ser lido de forma literal.

A Bíblia não quer que você mate sua esposa se ela lhe trair, que você arranque as mãos do homem que roubou comida. Se lida literalmente, a Bíblia não conseguirá precisamente cumprir a razão de sua existência: trazer sabedoria e paz aos homens.

O documentário “Como diz a Bíblia” é de extrema importância para que percebamos como é rico esse Livro Sagrado e como depende sim de nós usá-lo de forma que ele possa nos unir e não nos separar.

E eu lanço o desafio: é impossível permanecer o mesmo após assisti-lo.



“Só ele é a minha rocha e a minha salvação; é a minha defesa; não serei abalado.” Salmos 62:6

O BLOGUEIRO: A princípio, confesso, saber dele não me incomodou. Ele teria, claro, todo direito de discordar do trabalho da autora Lúcia Facco. No entanto, resolvi ler as palavras do Matheus Viana. E eu lhes pergunto: desde quando discordar é sinônimo de atacar? Desde quando não gostar ou até não aceitar está ligado com atacar a pessoa em seu nível mais privado e familiar?

Foram esses ataques sem sentido ou mérito à escritora Lúcia Facco que me fizeram decidir por escrever este texto.

"Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo." Lv 19:18

Quem é escritor, sabe: palavras bem construídas são como armas, podem ser usadas para o bem ou para o mal. No entanto, o uso dessas palavras, bem como o uso do nosso tempo, define cada um de nós.

Eu, como ser humano, me pergunto como pode alguém usar das palavras de Deus para incitar o ódio e o preconceito.

Como pode alguém que minimamente conhece a história de Cristo – sim, esse mesmo Homem que defendeu as prostitutas e os ladrões e os deficientes e os pobres e QUALQUER minoria oprimida e não entendida ou respeitada pelos demais, como pode alguém se atrever a dizer que em nome de Cristo esses ou aqueles são pecadores?

Juro que não entenderei jamais.

Não entendo como qualquer religião ou pessoa religiosa pode incentivar que diferenças sejam atacadas, que o próximo NÃO seja amado, que pedras, meu Deus, que pedras sejam atiradas sempre e a cada vez que não se concorda com o estilo de vida de alguém.

Penso que Deus é um Ser incrível, grande demais, grande demais até para que possamos entendê-Lo, para que possamos interpretá-Lo dentro da nossa tão limitada percepção!

Como podem seres limitados, como nós humanos, ousarem dizer que entendem ou sabem como pensa um ser ilimitado como Deus?

Não.
Não é assim que funciona.

Deus fala sim através de nós.
Somos sim filhos de Deus.
Mas somos TODOS filhos de Deus.

E a Bíblia é um Livro escrito por homens. Escrito com a limitação de toda e qualquer ação humana: ela está sujeita a códigos lingüísticos, está sujeita ao tempo de que fez parte, está sujeita à cultura que a originou e, a mais perigosa de todas as sujeições: está sujeita à mentalidade de quem a lê.


(obs: bolas de futebol americano são feitas com pele de porco.)

Não ouso dizer que Deus pensa como eu.

Mas, honestamente, se eu fosse supor algo em relação a Deus, eu suporia que Ele é maior que qualquer rotulação. Eu suporia que Deus não interpreta as coisas como a minha mente limitada interpreta.

Eu suporia que Deus é gigante o suficiente para ver quem é bom ou mau por suas ações para com os outros, por seu crescimento ao longo do tempo passado na Terra.

Eu suporia dizer que Deus, como meu Pai, me ama exatamente como eu sou.

“Cada um fique na vocação em que foi chamado.” Coríntios 7:20

E quanto aos meus irmãos em Cristo, eu digo o mesmo que digo para os meus irmãos biológicos: Se preocupe em ser feliz, se preocupe em usar bem o tempo que lhe é dado. Se preocupe em dar a mão a quem precisa.

Nossas mãos não foram feitas para atirar pedras.
Nossas mãos foram feitas para segurar outras mãos.

E se há algo constante na Bíblia, é justamente a noção de amor e respeito ao próximo.

Isso sim a Bíblia diz claramente.

~~~~~~~

Um adendo: os meus PARABÉNS e admiração à escritora Lúcia Facco. Por ser pioneira, por levantar uma bandeira que é de todas nós, por ter tido a coragem de lançar uma semente de mudança no mundo.

>>> Por favor, DIVULGUEM esse documentário!! Ele é absolutamente incrível!!
(link para download lá no Parada!)