sábado, 27 de fevereiro de 2010

“Eu quero ter um milhão de amigos, E bem mais forte poder cantar”

É que o monstro do Preconceito é forte e grande demais. Tão forte, tão gigante, tão esmagadoramente injusto, antiético e monstruoso que não poupa esforços quando decide agir.

Ele não escolhe caras, nem sempre avisa que vai atacar, muitas vezes aparece onde e quando menos se espera.

O monstro do Preconceito é mau: mas de uma maldade sólida e completa: solta um veneno que deixa rastros e que machuca muitas vezes os mais fracos e já fragilizados.

É tão desgraçado esse monstro, que ele às vezes se disfarça até do que é bom, do que é certo, do que é Divino até, ora veja só.

O monstro do preconceito se enraíza em núcleos familiares, religiosos, políticos, sociais. Esse monstro maldito separa humanos de humanos. Cospe julgamentos, injúrias, ataques mesquinhos e sem sentido.

Esse monstro rasga famílias, faz com que pais desprezem e ataquem seus próprios filhos, faz com que completos estranhos se xinguem por dizerem carregar em si o que acham certo ou errado.

Esse monstro cataloga humanos em grupos marginalizados e negativizados: homossexuais, negros, mulheres, pobres, gordos, feios, burros, analfabetos.

E eu me pergunto onde estão os meus irmãos? Onde estão aqueles que Deus disse para eu amar como a mim mesma? Onde estão aqueles que me amariam como a eles mesmos?

Onde está a nossa noção de sermos todos seres humanos e pronto? Por que meu amigo deve ser atacado por ser gay? Por que eu devo ser atacada por ser lésbica?

Por que eu não amo homens? Mentira! Eu amo sim! Amo meu pai, amo meus dois irmãos, amo os meus amigos que são tão importantes e imprescindíveis para mim. Amo todo homem que eu conheça e tenha como um modelo bom de ser humano.

Deverei ser julgada então por não amá-los sexualmente? Por não me apaixonar por eles?

Não basta amar, não é mesmo? O monstro do preconceito tem a petulância de refutar tipos de amor que não caibam em sua cartilha tirana.

Converso com Deus todos os dias, rezo para Ele, obtenho, em meu coração, a Sua Graça. Sinto a presença Dele clara e real em minha vida. Sinto Sua mão a me proteger, sinto Seu colo nos momentos mais difíceis e sua bênção nas horas de alegria.

Mas o monstro do preconceito ignora isso: me ataca e me difama e diz em urros e gritos que sou uma endemoniada, que sou uma pecadora, que sou eu quem dissemino o mau. O monstro do preconceito veste batinas e cordões religiosos, o monstro do preconceito coloca, infame, uma bíblia debaixo do braço e ousa jogar pedras em mim.

E eu olho para tudo isso incrédula: triste, porque aqueles que deveriam mais amar, que deveriam mais acolher, que estão supostamente iluminados por Deus, são muitas vezes os hospedeiros voluntários do monstro do Preconceito.

Está tudo errado!

Eu vejo meus irmãos, seres humanos como eu, atacando a mim e ao meu grupo. E não é um ataque de mera discordância: é um ataque cheio de ódio, cheio de nojo, cheio de um total e completo desconhecimento da irmandade que deveria nos unir.

Eu vejo os pequenos do meu grupo, os jovens homossexuais, serem abusados de todas as formas possíveis: emocionalmente, espiritualmente, psiquicamente e às vezes até fisicamente. São eles as vítimas preferidas do perverso monstro do Preconceito: porque são pequenos, são dependentes, são ingênuos, são fracos ainda.

E eu choro por eles. Choro porque esse monstro terrível se divide em vários pedaços e consegue estar em vários cantos ao mesmo tempo. E eu não posso proteger nossos pequenos.

E os pais desses, que deveriam pegá-los no colo e zelar por eles, e protegê-los das pedradas do monstro, na realidade se unem a esse monstro e jogam eles mesmos pedras em seus filhos. Eles mesmos machucam seus pequenos.

E eu choro. Choro porque essa guerra fria contra esse monstro ainda faz muitas vítimas. Choro porque vejo esse monstro ser alimentado e fortificado de todas as formas.

Nossas televisões coroam esse monstro e o fazem ídolo e exemplo. Nossos repórteres estão apenas interessados em mostrar o sangue das vítimas desse monstro e não em cuidar dessas vítimas. Sangue dá audiência. Sangue vende notícia.

Eu vejo uma total indiferença perante as vítimas desse monstro. Eu vejo cada um carregar o seu rei em sua própria barriga e apontar seus dedos julgadores para os que acham que devem ser queimados na fogueira.

Eu vejo crias desse monstro em cada ato separatista e em cada ataque.

Mas eu canto, eu canto a música que serviu de hino para uma geração: eu canto: “Eu quero ter um milhão de amigos, e bem mais forte poder cantar”.

Eu canto porque eu já aprendi, a duras lições, o que enfraquece o monstro do Preconceito: cada sorriso meu, cada vitória minha, o atinge e o torna mais fraco.

Essa é a lição que devemos levar, essa deve ser a nossa bandeira, a nossa arma, a munição de nossa guerra: devemos ser felizes, devemos lutar nossas batalhas de cabeça erguida, devemos ter orgulho de quem somos.

O monstro do Preconceito não pode nos atingir quando já estamos fortes. Então, meu querido e minha querida, por favor, se fortaleçam! Por favor, lutem por seus sorrisos!

O monstro do Preconceito é covarde: ele só nos ataca quando estamos sozinhos, quando somos minorias.

Devemos das as mãos em união e cantar juntos nossa amizade, nosso laço, nossa fraternidade. 


Cantemos então!





EU QUERO APENAS

Composição: Roberto Carlos/ Erasmo Carlos

Eu quero apenas olhar os campos
Eu quero apenas cantar meu canto
Eu só não quero cantar sozinho
Eu quero um coro de passarinhos
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar
Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar.
Eu quero apenas um vento forte
Levar meu barco no rumo norte
E no caminho o que eu pescar
Quero dividir quando lá chegar
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar.
Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar.
Eu quero crer na paz do futuro
Eu quero ter um quintal sem muro
Quero meu filho pisando firme
Cantando alto, sorrindo livre
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar.
Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar.
Eu quero o amor decidindo a vida
Sentir a força da mão amiga
O meu irmão com um sorriso aberto
Se ele chorar quero estar por perto
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar.
Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar.
Venha comigo olhar os campos
Cante comigo também meu canto
Eu só não quero cantar sozinho
Eu quero um coro de passarinhos
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar.

19 comentários:

*!*↑α Ŋℓğą↓*!* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
*!*↑α Ŋℓğą↓*!* disse...

... Helena ...

... Mais uma vez Parabéns!!! ...

... Inenarrável a identificação, a empatia e o sentimento ...

... Então só há como agradecer ... Obrigada!! ...

Rianne L. disse...

O preconceito é mesmo terrível e angustiante. Ontem mesmo na aula de História meu professor falou sobre a Homossexualidade e seu tempo histórico, e os comentários e reações foram os mesmos de sempre: "Eca!, "Que nojo!", "Deus me livre" e outros piores. Eu chorei praticamente a aula inteira porque aquilo me machucava, me atingia mesmo sem eles saberem. Depois o professor veio falar comigo e perguntou porque eu não dizia nada, porque eu não dava minha opinião, porque eu não falava "Ei! Tá rindo por quê?".
E tem que ser assim mesmo... a gente não pode abaixar a nossa cabeça. Temos que nos impor e ajudar a muitos deles que simplesmente são assim porque são obrigados pela sociedade.

Camila. disse...

Tô sem palavras, post muito bem feito, mesmo!

Isa disse...

Ah, vc vive me fazendo chorar!

Parece que a realidade se torna mais forte quando escrita!

Lidar com o preconceito de desconhecidos é tranquilo, mas quando ele vem da família, eu me sinto completamente impotente. Dentro do armário já dói escutar.

Obrigada, como eu já disse, vc é um anjooo!

Beijão pra ti!

Bruna B. disse...

Disso tudo! E, infelismente, essa realidade do preconceito é a mais pura verdade :~
Eu também fico muito triste de saber que a maioria das pessoas ainda tem a mente tão fechada pro 'diferente'...julgam sem conhecer!
Maaas, a união faz a força :D
Vamos lá!!! 'rsrs
:* beijo

Mary RN disse...

É, o pior de tudo é que este monstro se instala nas nossas casas e nas pessoas que mais amamos. Estava vendo a Angelica do BBB no Faustão, e a minha mãe falou que não gosta dela porque tem nojo de sapatão. Ela não faz idéia do quanto aquelas palavras me feriram por dentro. Mas um dia ela vai ficar sabendo da minha "verdade", e espero que o amor dela por mim seja maior do que o preconceito idiota!

Me desculpe pelo pequeno desabafo, mas quero aproveitar para te agradecer Helena, pelas palavras que sempre nos ajudam! Conheci este blog a pouco tempo, mas ele faz uma difença enorme na minha vida, e acredito que na de muita gente que vem aqui!

MUITO OBRIGADA!!!

Anônimo disse...

Minha cara,
você, de fato, tem tocado em assuntos que falam alto para nós. E de uma maneira muito inteligente. É muito díficil acabar com o preconceito, mas o pior de tudo é ainda saber que ele está impregnado por aqueles que estão bem próximos.

natalia disse...

oi parabens pelo seu blog. Acebei de conhece - lo e me apaixonei. Eu tbm tenho um blog que não é totalmente voltado para assuntos que envolvam homossexualidade, também fala da vida, sobre amor, família...enfim queria divulga - lo aqui junto com o seu. http://blig.ig.com.br/nataliavasquez/

liv disse...

1)- Olá helena.Excelente post.Sim,queremos ter milhões de amigos,faz parte da natureza humana o sentido de aceitação,proteção comunidade.Hoje falamos em tribos alternativas,mas o sentido de ser aceito é o mesmo. O preconceito existe e levrá tempo para diminuí-lo.A marcha dos avanços sociais:o marxismo deu o ponta-pe nas críticas as estruturas patriarcais e de dominação econômica as classes sociais e de gênero.Pobres explorados,mulheres exploradas(a religião ajudava a manter estas diferenças ec,,,).O movimento socialista ampliou-se na critica ;o feminismo apareceu com força;a contra-cultura dos anos 68 empurrou a critica para os momentos mais decivos da mudança humana;feminismo e os movimentos homossexuais chegaram para ficar.Este avanço não vem sem dores.
2) -Vemos num BB10 a presença clara de um sujeito que representa o conservadorismo tacanho(dourado)e a votação que tira uma sister do programa e o deixa.Por quê?nao apenas por ser ele um bom jogador,mas porque representa ele a verdade social debaixo do modismo de modernos(a classe conservadora vai as passeatas gays) se diverte como se aquilo fosse um carnaval!Mas a hipocrisia social se mandem quando votam num cara homofóbico,misógino,machista(diz ele que daria porrada na mulher até deixa-la desmaiada.noa por ser ela gay,mas por ser mulher!).Esta conclusão é terrível.Por isso gays são ainda assassinatos por sua orientação sexual.Educação(e novas Leis) é o caminho para discutir mudanças e a opressão.Hoje,no Irã,há grupos GLB(clandestinos)Ser feliz é condição humana,respeito é bom.Claro que os conservadores querem manter seu status de donos da verdade e do poder.Dominar é instinto primitivo e ainda somos ...Mas vamos falr,este blog ajuda a romper o silencio e a educar,Bravo.Abraço.

Diogo França disse...

Helena como sempre lindona né!
Ótimo post! Não há monstro que resista se temos amigos para nos apoiar, com nossos amigos o monstro fica pequinininho sem força.. Essa música até me deu vontade de sai cantando e abraçando todo mundo \o/

Bjo muita luz pra ti e pra todos os nossos amigos coloridos, pq o mundo só tem graça com COR, preto e branco já era hehehehehe

disse...

Vizinha!!
Obrigada pela lembrança da última postagem! Levei um susto quando vi meu nomezinho lá...hehehe *feliz*!!!

Agora, depois da minha formatura, começo uma nova etapa...Para ajudar neste começo estou "reativando" um antigo blog que eu criei...vamos ver se desta vez eu consigo engrena-lo...

vim perguntar se posso linkar o Sapatilhando lá... posso?

Bjos!!

Francisco disse...

Cara Helena.

Antes de tudo quero parabenizá-la pelo texto, que é maravilhoso! Não tenho mesmo palavras para dizer o que senti lendo o mesmo.
Entrei no seu blog hoje pela primeira vez; e tenho certeza, que foi muita sorte da minha pessoa encontrá-la nesse espaço tão bacana que você criou. Mais uma vez: PARABÉNS!!!
Tenho certeza que são pessoas assim como você que faz os "diferentes" muito mais felizes e de bem com a vida. São pessoas como você que nos faz refletir. E nessa reflexão nos faz sorrir e se juntar a grande corrente de sorrisos que você quer, e tenho certeza conseguirá formar; e fortalecer a cada pessoa que leia o texto que eu li.
Vou terminando por aqui, como mais um parabéns. Risos
E tenha certeza que passarei a ser um leitor de seus textos maravilhosos.
Um forte abraço.
Francisco Neto.

Ju T. disse...

Todos comentaristas já disseram. Não vou repetir.
AMEI.
Bjs

Ju T. disse...

Todos comentaristas já disseram. Não vou repetir.
AMEI.
Bjs

Ju T. disse...

Todos comentaristas já disseram. Não vou repetir.
AMEI.
Bjs

Ju T. disse...

Todos comentaristas já disseram. Não vou repetir.
AMEI.
Bjs

Vivi disse...

Muito lindo...
E, cada um vive a sua sina de acordo com o que plantou. Se estamos aqui, é porque em algum momento não soubemos amar ao próximo como a nós mesmos... Nada é por acaso...
E, Deus não nos daria uma cruz mais pesada da que nossos ombros suportam... Agora, resta tolerância, até mesmo com o preconceito, não devolvendo com violência, a violência, mas com amor, com cultura, com paciência, como vêm sendo feito aqui...

Abraços!

Raíssa Biolcati disse...
Este comentário foi removido pelo autor.