sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Vida de F(r)ases

A Clarice Lispector disse uma vez:

“Já que se há de escrever, que pelo menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas”.

E, na verdade, a grande paixão que eu tenho por palavras é justamente essa: não a palavra propriamente dita, mas a entrelinha; ou, ainda nas palavras da Clarice: o que está por trás da palavra.

Campbell uma vez disse que se não entendemos a metáfora, é como se chegássemos em um restaurante e, ao ver os pratos descritos no menu, comêssemos os próprio cardápio, e não a comida que ele indica.

Assim é essa nossa vida de F(r)ases.

Eu, que escrevo simplesmente todos os dias da minha vida, nem que seja uma linha, digo que é muito difícil escrever algo que não sinto. Porque as palavras estão ali, junto com o meu sentir. E elas registram um momento, paralisam aquele minuto nesse alfabeto organizado em forma de palavra, frase, parágrafo.

Acontece que, seja isso bom ou ruim, momentos passam.
E o texto fica lá, ainda comunicando, tocando quem quer que ele precise tocar: ninguém chega ao fim de um texto que lê por vontade própria sem que ele esteja lhe tocando de alguma forma.

O fato é que quando Confúcio disse, lá longe, na época e século dele: “A nossa maior glória não reside no fato de nunca cairmos, mas sim em levantarmo-nos sempre depois de cada queda”, ao registrar isso em palavras, ele continua a passar sua mensagem. E eu, agora, ao lê-lo em minha época e século, posso balançar minha cabeça com alegria porque realmente concordo com ele: devemos sim levantar depois de cada queda – mesmo que às vezes demore um pouquinho para fazermos isso.

Depois, o perfeito e sempre sereno Rubem Alves chega de mansinho e me fala ao ouvido: “O tempo se mede em batidas, podem ser as batidas de um relógio, ou podem ser as batidas de um coração”.

E eu coro de emoção porque sei sim que é assim: afinal, quem nunca viveu aquele amor intenso que pareceu que durou tanto, que foi tão longo, mas na verdade, em tempo de relógio, só tinha algumas semanas ou meses? Quem nunca passou por algo tão triste e tão difícil que o tempo parece que tinha desistido de passar?

Aí o Albert Camus vem e me sentencia “Vou-lhe dizer um grande segredo, meu caro. Não espere o juízo final. Ele realiza-se todos os dias”. E eu arregalo os olhos porque depois de ler isso percebo que tenho que parar de ‘encanar’ tanto com pequenas coisas, que tenho que parar de viver em medo e passar a (con)viver com o meu medo, tendo a consciência de que terei que ignorá-lo às vezes: se quero realmente conseguir mais para minha vida.

Aí o Nilton Bonder revela: “Toda experiência que nos derruba, que joga por terra nossos conceitos e percepções é reveladora”. Mas claro! Pulo feliz: por isso que dá tanto medo! Porque cada revelação deve ser seguida de uma mudança: e eu e você sabemos que não é fácil mudar.

Aí ele (Nilton Bonder) passa a mão na minha cabeça e me diz: “Nosso compromisso, não é o de sermos MAIS do que somos, mas, sim, de sermos TUDO o que somos”.

Entendi: eu digo: tenho que investir em MIM, tenho que passar tempo COMIGO, tenho que conhecer o que EU quero e o que EU não quero, tenho que ME RESPEITAR, tenho que ser tudo o que EU posso ser.

Aí, naqueles dias em que tantos nos machucam, em que nos sentimos um verdadeiro saco de pancadas para o mundo, naqueles dias em que precisávamos de um sorriso, de um apoio, de um abraço, e na verdade só recebemos grosseria e incompreensão, O Yu-Fu-Tuan me explica:

“As pessoas nos restringem, mas também podem ampliar nosso mundo. O coração e a mente se expandem na presença daqueles que admiramos e amamos”.

E aí eu entendo que às vezes é justamente a partir do que as pessoas me dão, que eu tenho informação suficiente para tomar as minhas decisões.

É justamente nessa “filtragem da vida” que eu vou vendo que pessoas me fazem bem e que pessoas me fazem mal: e aí fica a depender de mim manter ao meu lado as pessoas que crescem junto comigo, que melhoram junto comigo. As pessoas que sorriem o meu sorriso e que choram as minhas lágrimas.

E o Almodóver arremata na fala de um de seus personagens: “Nós ficamos mais autênticos quanto mais nós nos parecemos com o que sonhamos que somos”.

Sim, eu entendo: temos que lutar para acharmos formas de sermos quem queremos ser; temos que ir atrás de força para lutarmos por nossos sonhos; temos sim que alimentar nossas esperanças e fortalecer nossos desejos.

Aí o Toquinho canta:

“Um menino caminha
E caminhando chega no muro
E ali logo em frente
A esperar pela gente O futuro está...”

E eu percebo: é justamente quando a gente chega no “muro”, naquele beco sem saída, que o futuro se anuncia: é justamente depois desse muro que o futuro está. E aí eu agradeço pelo amanhã: por esse dia que nem chegou ainda, mas que me traz tantos sonhos de dias melhores!

E um ex-presidente do EUA, ora vejam, me diz algo que chega como rufar de tambores em meus ouvidos: "Faça algo e, se não conseguir, faça outra coisa. Mas, acima de tudo, tente algo".

E apesar de não gostar lá essas coisas dele (é o Roosevelt), eu balanço a cabeça confirmando que desta vez ele está certo: sempre dá para tentar algo.

A vida, gente, é de fases e é de frases.
E por mais que uns levantem a bandeira de que “auto-ajuda” é brega, ou ruim, ou sinal de fraqueza, na verdade eles não entenderam algo que já entendemos:

Ninguém é nada sozinho.
Precisamos sim uns dos outros: precisamos sim de frases e palavras e gestos: precisamos que alguém nos lembre de algo que o cansaço nos fez esquecer, precisamos sim do abraço necessário.

Portanto, quando vier a fome, seja ela fome de conforto, de carinho, de segurança, de esperança... vá sim atrás de comer.


Está tudo aí ao teu redor: todas as belezas, sorrisos, ajuda e esperança: você só precisa olhar direitinho para encontrar. ;]


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

UM AVISINHO:

Ontem, quinta-feira, dei início a um outro projeto que vinha pensando faz tempo: o "Convite à Oração", que consiste em um encontro semanal (toda quinta-feira à noite) em que nos 'reunimos' para conversar e refletir sobre a vida.

Quem tiver interesse, vá AQUI.

O próximo encontro será na próxima quinta à noite.


UM NEGÓCIO LEGAL:

Além do meu formspring (que é um sitezinho de perguntas e respostas), queria muito que vocês visitassem o Formspring do Parada Lésbica: http://www.formspring.me/paradalesbica

Como muita gente pergunta por lá, já tem um monte de perguntas e respostas que vale à pena ver. Quem sabe o dilema que você está passando está justamente lá? Quem responde as perguntas do Formspring do PL sou eu e a Del.

É isso!
Até próxima semana, pessoal!
Ótimo final de semana e ótima semana vindoura! ;]
Obrigada de coração àquelas(es) que sempre têm palavras de incentivo para me dar!! :*

4 comentários:

Del. disse...

Ei ei...

Esse texto foi bem genérico, né? Você falou tantas coisas...

Mas é isso mesmo, escrever está nas entrelinhas, alías, os melhores autores são aqueles que usam e abusam delas, fazendo com que as pessoas de simples palavras extraiam um turbilhão de sentimentos e sensações.

E toda ação na realidade é como uma palavra num livro, existem muitas coisas por trás dela... Palavras são ações descritas.

Precisamos viver e ver as entrelinhas da nossa vida, extraindo dela tudo que for possível seja o momento bom ou ruim...

Belo texto, de uma bela mulher... Só pra variar.

Purupupupupupu... Luv ya

Tania disse...

Helena, Gostei de saber que você pesquisou os textos de Confucio. Tive a oportunidade de conhecê-lo através da Fraternidade Branca.

Tantas lições que nos fala o espírito, tomamos consciência que o infinito não está tão distante de nós e sim dentro de nós mesmos, basta trocarmos experiências com outros seres humanos.

Somos uma fonte inesgotável de conhecimento. Tantos textos profundos que nos faz analisar nossa vida, analisar tantos ideais a serem descobertos.

Superar medos, atingir o nosso sucesso sem se importar com as quedas, valorizando o objetivo final que é a concretização definitiva de nossas metas.

Tânia disse...

O principal... Seu texto é extraordinariamente The Best... Amei Guria...

Anônimo disse...

Mensagem
Mestre Confúcio

Eleve seus pensamentos para as vibrações superiores e assim verá grandes maravilhas em sua vida.

Disfaça-se dos obstáculos e sofrimentos desnecessários. Se você pensa em trevas, atrai trevas para seu viver. Se repetir sempre que é um limitado, atrai limites para si mesmo. Não se subestime nem se auto limite. Se as aves assim fizessem, não poderiam voar.

Contudo, não basta querer as coisas boas da vida. É preciso também semeá-las. Como querer ver nascer o trigo, onde se semeou ervas daninhas?

Tudo o que você deseja ser, pode ser. Tudo o que deseja possuir, pode possuir e possuirá.

Todavia, além de desejar, é necessário saber como conseguir e lançar-se ao trabalho com muito amor e sinceridade.

Apele à Chama da Precipitação e traga à manifestação um mundo perfeito, corpos perfeitos,ações, palavras,sentimentos e pensamentos igualmente perfeitos.

Visualize sempre aquilo que você deseja obter como algo já obtido. Visualize aquilo você deseja curar, como já curado.
Visualize sempre a perfeição.

Nunca critique o próximo, para não atrair os defeitos dele para você.

Você está onde está a sua atenção.

Pare de alimentar-se de dados negativos e se conscientize de que você é o espelho daquilo que pensa ao longo de suas encarnações.

Decrete sempre: "Eu Sou Luz" e qualifique esta Luz como melhor lhe aprouver. Para receber ajuda, apele a Nós.

Eu sou ao vosso dispor,

Confúcio.