quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Uma conversa sobre Homossexualidade e Família

Oi, pessoal, tudo bem?

Primeiro de tudo, obrigada pelas boas vindas e por sempre estarem aptas a conversar comigo!

Para abusar um pouco da boa vontade de vocês, cá estou eu de novo com uma nova conversa!
(Para compensar o tempo longe, não é?)

Quem quiser conversar comigo, é só clicar o playerzinho aí embaixo!
(Por favor, ignorem a voz, que ainda sofre com os resquícios de uma rinite alérgica)




Quem quiser baixar a conversa e escutar em seu próprio micro ou player, é só clicar aqui.

|| Para ouvir o áudio "Devo me assumir? Quando? Como?" clique aqui.

15 comentários:

Anônimo disse...

Helena, fui baixar o arquivo .mp3 e deu pau.
Parece que não tá corrompido. Bjs!
Rafa Recife

Mel disse...

Tua voz é sexy.

Família é uma coisa difícil. O pior é que não adianta a gente querer ajudar ou dar conselhos, porque cada família tem uma característica e uma criação diferente. Comigo foi indo aos poucos, mas nunca houve grandes conflitos... Hoje a minha família aceita tudo numa boa.

Parabéns pela iniciativa do blog.

Lorena disse...

Querida, que bom ouvir uma conversa sua novamente! E que admiração sem-fim que eu tenho por você, viu, moça?? Nunca diminui. Sua coragem de falar sobre você, e sobre e para todo mundo que te lê, e a forma como você ajuda quem passa pelo seu caminho, é algo que nunca deixará de merecer minha admiração, Helena.

Estava com uma saudadona da sua "casinha", até que esses dias atrás indiquei teu blog pra uma pessoinha que ganhou meu coração, e acabei voltando aqui e lendo seus textos, novos e antigos (e ela andou por aqui também e compartilha da minha opinião sobre vc ;). E hoje que feliz eu fiquei quando vi que tinhas postado uma conversa, vim correndo te ouvir. E mais uma vez, amiga, eu tenho que dizer como sua força e sua coragem me admiram. Esse tema é difícil, e eu sei que é duro pra vc, acho que todas nós que caminhamos junto com vc nesses anos de Sapatilhando sabemos como esse tema, em especial, é complicado e dolorido pra vc. E ainda assim, vc vem e fala, Helena. E com a sua fala você espalha a compreensão, oferece um ombro amigo, dá forças pra quem anda no mesmo processo ou que está caminhando para chegar no mesmo ponto que vc.

Acho que todas as pessoas que eu conheço deveriam ouvir essa sua conversa em especial. Não apenas os homossexuais que enfrentam problemas com os pais, ou estão em vias de enfrentar, mas os homossexuais que são pais ou pretendem ser, os heterossexuais que são pais ou pretendem ser, os que já são pais de filhos homo ou heterossexuais, ou mesmo quem não quer ter filhos nunca. Esse é o tipo de questão que mexe com a sociedade como um todo, homossexualidade e família é um assunto que ultrapassa os limites da própria família, porque trata de conflitos que geralmente afetam também os amigos, os vizinhos, os parentes distantes, os colegas de trabalho, os professores... Enfim. É uma questão complexa e que só pode melhorar se houver DIÁLOGO e compreensão. Que é justamente o que vc oferece com sua fala.

É isso, querida. Te dei um Follow Thursday no twitter, porque acho realmente que vc merece ser ouvida e lida por todo mundo, e quanto mais pessoas eu conseguir trazer para cá, para que te dêem atenção, melhor. :)

Saudades de conversar com vc. Tava ensaiando te mandar um email há tempos, e nos últimos tempos, então... Fico doida de vontade de compartilhar meus momentos contigo, que é uma parte tão importante dessa minha caminhada. Deixa a vida dar uma trégua aqui que farei isso. :)

Beijos, flor! =***

Aninha aruen disse...

oiiiii muito bom o áudio! Eu acho que se os pais ñ aceitam os filhos do jeito que são infelizmente as vezes temos que além de dar um basta,dar uma ignorada tbm,se ñ aceitam paciencia,as vezes o jeito é deixar pra lá e seguir a vida,um dia eles acordam pra realidade ,e geralmente correm atrás do tempo perdido.Digo isso pq já vi acontecer com amigos meus ,e ñ só em caso de homossexualidade,em casos em q os pais ñ aceitam outras coisas tbm,exemplo,profissão q os filhos escolhem,casamentos,e etc...
te desejo sorte e que vc consiga superar essas coisas,bjssss!!!!

Bárbara disse...

“Espero que você leve uma vida da qual se orgulhe. Ou que tenha força para começar tudo de novo"


E assim vamos caminhando ne Helena, e esperando dias melhores a recomeços com mais forças.

Admiro a sua força e o seu querer ajudar a todos nos..

muita força ai sempre.
Deus cuida de tudo com todo carinho de Pai.

Bárbara disse...

"Qual seria a graça da vid sem a constante busca pela FELICIDADE ? "

Flavia disse...

É impossível não tecer algum comentário sobre vc e sobre o que escreve e fala. Eu até tentei,talvez por timidez ficar meio anônima,mas uma inquietação enorme interior não me permitia que assim eu continuasse! Não após ouvir este áudio!Que bom, afinal tenho a oportunidade de em primeiro lugar agradecer de forma muito sincera, o bem que vc me fez e com certeza faz a todas as pessoas que de alguma forma te conhece, através do blog e site. Em segundo lugar, por trazer à reflexão um assunto tão polêmico e difícil de ser tratado, no sentido de conversa.Em terceiro lugar, pela intenção maior, que é realmente muita digna e merecedora de todo o apoio, que é a de ajudar as pessoas.Um grande abraço,obrigada por ser tão "gente".

Anônimo disse...

Parabéns pelo áudio e por você ser como é, Helena! Incansável e linda!

bjs
belisa

Anônimo disse...

"Estranhos com consaguineidade" uau... quantas famílias assim são, independente da questão da sexualidade. Imagino que para aqueles que assim não era e passou a ser tão somente por conta da sexualidade, deve ser mesmo difícil, muito triste!
Dizem que a vida ensina, mas quanto tempo se perde neste embate?
Tempo este que nem sempre é possível recuperar.

mel disse...

Olá Helena,

Suas reflexões são cada vez mais profundas.
Uma família será apenas sangue? Sabemos da importância daqueles que nos deram a vida. Mas também temos que dar um "basta" na incompreensão e seguir em frente com a vida. Afinal, nem esta não nos deu oportunidade para escolhermos os nossos pais, a nossa sexualidade, o país em que nasceríamos, enfim, a nossa orientação sexual. Acredito que as suas considerações mostram aquilo que o Joseph Campbell quis dizer no Livro (Vida e Transformações: Folow your bliss, siga o seu caminho. Talvez, seja essa a orientação que ele quer transmitir, que possamos encontrar o nosso sentido na vida e seguirmos nosso coração. Se não tivermos compreensão daqueles que amamos, infelizmente não podemos fazer muito, apenas o tempo e nossa conduta mostrará que nosso caráter não é medido pela sexualidade. Um grande beijo. Continue nesse seu caminho.

mel disse...

Olá Helena,

Suas reflexões são cada vez mais profundas.
Uma família será apenas sangue? Sabemos da importância daqueles que nos deram a vida. Mas também temos que dar um "basta" na incompreensão e seguir em frente com a vida. Afinal, nem esta não nos deu oportunidade para escolhermos os nossos pais, a nossa sexualidade, o país em que nasceríamos, enfim, a nossa orientação sexual. Acredito que as suas considerações mostram aquilo que o Joseph Campbell quis dizer no Livro (Vida e Transformações: Folow your bliss, siga o seu caminho. Talvez, seja essa a orientação que ele quer transmitir, que possamos encontrar o nosso sentido na vida e seguirmos nosso coração. Se não tivermos compreensão daqueles que amamos, infelizmente não podemos fazer muito, apenas o tempo e nossa conduta mostrará que nosso caráter não é medido pela sexualidade. Um grande beijo. Continue nesse seu caminho.

Bruna B. disse...

Helena, é tão bom te ouvir *-*
Tu parece meio que uma mãe pra todo mundo aqui. Trasmite compreensão e conforto (:
Deus deve ter te escolhido pra fazer a diferença nesse mundo tão preconceituoso.
Seria muito bom se outras pessoas, homo ou heterossexuais, também tivessem acesso aos teus textos e áudios. Eles são uma ótima reflexão sobre tudo!
Ah, Helena! Eu desejo de coração que tudo fique bem entre tu e tua família. Tu merece toda felicidade do mundo! Tenho certeza que o pessoal aqui te admira muito por tudo o que tu tem feito e enfrentado. Torcemos por ti!
Beijo e parabéns pelo site :D

Anônimo disse...

Olá Helena, interessante teu blog, teu site e teus escritos...
Sabe me questionando a respeito do que foi suscitado notei e gostaria de dividir uma situação na minha vida que sinceramente está me exigindo um basta...
Tenho 25 anos e apesar de ser muito precoce vivi muito antes da idade tive que atingir certa maturidade que a vida me exigiu... Sou assumida, casada com a garota da minha vida, jah faz mais de dois anos... Temos com as nossas familias uma situação muito tranquila e muito confortável, sou formada em Pública e estudo Direito numa Universidade Federal, e trabalho atualmente na Justiça do Trabalho... claro o caminho foi duro mas a perseverança tb foi grande...
Mas o que me traz aqui, o que incomoda é o caminho inverso ao da aceitação o caminho da cobrança social...
Somos um casal bem quisto e bem visto, talvez sempre por minhas posturas firmes e meus posicionamentos morais,contudo vivemos sempre sob olhares atentos prontos a encontrarem o menor deslize e fazer disso justificativa para preconceitos e ideias erroneamente pré concebidas...
Sabe é dificil viver tendo sempre que correspoder a todas expectativas socias só porque sou uma garota lesbica bem resolvida e bem sucedida...
A cobrança nos é constante...
É a minha familia sempre cobrando uma postura madura, atitudes na relação como "casar" oficialmente, planejar os filhos...
O trabalho que me exige uma postura que mostre tanto a visão moderna do Tribunal ao admitir uma funcionária homossexual, quanto tentar mostrar que sou como qualquer outra hetero casada por ai...
A Universidade que adora mostrar agente como exemplo de casal modelo que supera barreiras e conquista espaços e sei lá mais o quê porque não milito a causa, nem tenho vocação para isso...
O nicho social onde vivemos, para o qual agente vive tendo que mostrar somos uma familia como qualquer outra... que cobra se vc é fiel... se vc é generosa... se vc é prestativa... se vc é boa companhia para os filhos... se vc é exemplo de sucesso profissional...
Entende minha angustia...
Puxa vida eu tenho só 25 anos... Queria só viver como todo mundo, sem ter que me policiar o tempo todo... Poder ir numa festa e tomar um porre... Poder estar de cara amarrada depois de uma discussão domestica... Poder curtir uma balada com a galera de vez em quando...queria poder não ter que responder minha mãe se na compra do apartamento tem quartos para as crianças ou não... Poder simplesmente achar uma mulher bonita na rua sem que isso pareça safadeza...Enfim viver certas coisas sem colocar em risco esse Respeito demagogo que já conquistamos... sem que as pessoas nos olhe e comentem que gays são todos iguais mesmo...
Mas sinceramente sofro e não sei como dar um basta...
Agradeço o espaço para o desabafo...
Michelle.

Jéssika disse...

Nossa, você é excepcional!
Parabéns!
Você me ajuda muito.
beijos!

Mariane Agá disse...

Belo discurso (:

Só acho que é injusto nós termos que "ultrapassar" o que é ser bom, termos que ser melhores para conseguirmos respeito... sim, concordo que isso nos dará visibilidade e credibilidade, mas não é algo justo...