segunda-feira, 16 de maio de 2011

Por teu “situar-se”

Digo já: palavras vazias de ação são apenas isso: palavras vazias.

Se você se identifica com um texto ou com uma frase, não é, de forma alguma, mérito de quem a escreveu.

É mérito seu: porque só nós somos capazes de reconhecer nossos vazios.

E um texto que te toque é isso: é um pedaço teu, ali, te encarando e te pedindo para agir.

Mas entre palavras e ações existe um abismo: o abismo do verdadeiramente situar-se e enxergar, sob uma perspectiva crua e real, as tuas necessidades e responsabilidades.

Crescer sempre significa enfrentar-se.

Enfrentar quem você é hoje e quem você está deixando de ser.

Enfrentar o que você tem hoje e o que você está deixando de ter.

É como o respirar, sabe?
Respiramos o tempo todo – porque disso depende o nosso viver.
E respiramos sem ter que nos preocupar com isso: é um processo automático e sequer nos tocamos de nossa respiração.

Para perceber o respirar é preciso situar-se: é preciso se concentrar no ato de respirar.
Só então a inspiração e a expiração são um ato consciente.
Só então podemos senti-las e percebê-las.

Essa é a metáfora da tua vida.
É preciso situar-se.
É preciso estar consciente de você mesma(o).

É preciso unir palavras e ações e abrir mão do confortável abismo que separa percepção e ação.

Eu poderia citar Campbell, que diz:

“Quando estiver seguindo o caminho da vida, você verá um grande abismo.


Pule.


Ele não é tão grande quanto você pensa.”

Eu poderia te falar sobre as transformações necessárias e sobre os percursos de crescimento e mudanças que devem fazer parte da tua vivência.

Eu poderia te dizer que é justamente na dor e no desespero que os caminhos mais inesperados surgem e que é ali que a tua vida se transforma.

Eu poderia te falar sobre a profundidade do teu ser: e sobre como você não tem acreditado o suficiente em si mesma(o).

Eu poderia gritar altíssimo para tentar te fazer acreditar que você agüenta sim, que você é forte sim, e que tudo isso é só uma difícil subida, um muro que você precisa escalar para chegar ao outro lado da tua vida, para edificar tua estrutura, para construir o teu ser.

Eu realmente poderia...
Mas não irei fazer nada disso.

Simplesmente porque é você quem deve fazê-lo.

No fim, tudo é muito simples: você tem que ser você mesma.

É só isso.

Todas as respostas estão aí.
Todas as dores estão aí.
Todas as alegrias e júbilos estão aí.

Mas entre palavras e ações há um abismo...


~~~
Para questionamentos sobre se assumir, por favor, escute esse áudio.
Clique AQUI.

>> pessoal... chegarei com novidades em breve! aguardem! ;]
Beijos!

3 comentários:

Alessandra Reis disse...

E como é bom quando nos situamos realmente. Quando conseguimos abrir as janelas dos olhos e perceber que transpomos a distância entre fala, ação e sentimento e tudo está defidamente ali, bem encaixado. Pois realmente, como vc disse, "entre palavras e ações há um abismo"... mas também existe as pontes que devidamente utilizadas, nos leva a transpor obstáculos como tais abismos.
Meu fraterno abraço! Paz e Luz sempre, a cada novo passo, em todos os seus caminhos!

Grace disse...

Muito bom! =)

Anônimo disse...

Ai Helena!!!

Tuas palavras sempre me dão cutucões... beliscões... "tapas na cara" às vezes tb...
Mas... elas tb me dão acalanto pq no fundo elas me mostram que TUDO faz parte do meu crescimento... do meu viver!
E viver tem dessas coisas..
Nesse caminhar... "Eu aprendi que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você está escalando-a" (Shakespeare).

Bjus e que Deus abençoe vc e todos akeles que vc ama!