terça-feira, 29 de maio de 2012

Pais que não aceitam


Infelizmente esta ainda é a realidade mais freqüente.
Pais que não aceitam seus filhos(as) homossexuais.

Como eles reagem, como eles lidam com esse não aceitar, como eles escolhem deixar claro que não aceitam, varia de caso para caso.

Alguns, após uma primeira discussão ferrenha, fingem “esquecer” que sabem.

Um silêncio eterno e angustiante paira para sempre. Um reafirmado desinteresse em relação a “esse aspecto” da filha ou do filho é sempre posto em prática. Um abismo doloroso de não comunicação e de um silêncio que, na verdade, grita angustiantemente.

Outros são ainda mais enfáticos em sua violência: fazem da vida da filha ou do filho homossexual um inferno. Esse inferno – e as profundezas que ele traz à alma desses filhos – varia de acordo com o “poder” que os pais têm. Quanto mais novos ou mais dependentes (financeira ou emocionalmente) os filhos são, piores são as cicatrizes de espírito e de auto-estima que lhes são causadas pela não aceitação dos pais.

Há os que fecham seus filhos, destroem seus mundos, cessam toda e qualquer comunicação que eles possam ter com o mundo exterior, os isolam de seus contatos, de seus amigos (em especial os “suspeitos de influenciar”) e esmagam a subjetividade de suas crianças e adolescentes com o intuito de “arrancar” deles a possibilidade de serem homossexuais.

Quanto mais religiosos esses pais são, via de regra, piores são as reações e as formas de lidar com a não aceitação. Essas reações vão desde palavras e ameaças cármicas,  aonde o inferno e o demônio são repetidamente citados, a pregações e sessões espirituais de “limpeza” e de “cura” da homossexualidade dos filhos. Palavras cruéis, julgamentos e adjetivos pesados são constantemente direcionados a esses filhos.

Há os pais que são mais velhos, com filhos(as) também mais maduros(as). Esse filhos(as) só agora estão tentando se permitir vivenciar a sua homossexualidade. Esses pais e mães mais velhos usam e abusam de chantagens emocionais, mexendo com a mente e o coração de seus filhos e enfraquecendo-os de suas coragens, fazendo-os se sentirem culpados e sujos por terem a orientação sexual que têm.

Aliás, o sentimento de culpa é uma constante nos filhos que não são aceitos por seus pais.
O sentimento de abandono, de solidão, de rejeição e de dor estão sempre pulsando nesses filhos não aceitos.

Muitos desses filhos(as), passaram anos de suas vidas em silêncio. Sofrendo sozinhos os seus conflitos, sentindo todos os seus medos sem ter com quem conversar. Cada um deles acha que sabe como os pais pensam e que esses pais provavelmente não lhes aceitariam.

Essa dor e esse medo lhes acompanham tanto nos momentos felizes – em que encontram a possibilidade de um amor ou apenas o acolhimento em seu grupo de amigos – como também nos momentos mais tristes – em que têm seu coração partido ou sofrem algum tipo de preconceito ou bulling. Em nenhum desses momentos, eles podem buscar o apoio de suas famílias ou dividem com eles o que estão sentindo ou pelo que estão passando.

Em conversa com um casal de meninas que conheci recentemente uma delas me disse que ouviu de uma amiga a seguinte declaração: “Quando um negro sofre preconceito, ele pode chegar em casa e ter o apoio de sua família, já que são todos também negros. A mesma coisa acontece com um judeu ou outros exemplos que se estendem ao âmbito familiar.”

Mas quando um homossexual sofre preconceito, infelizmente dentro de casa é o último lugar no qual a maioria deles buscará ou terá apoio.

Lidar com o não saber de seus pais é tão doloroso quanto descobrir que eles realmente não os aceitam, não os apóiam e sentem vergonha e decepção por terem filhos que são homossexuais.

Quanto maior o amor que sentem por seus pais, maior é o conflito sobre os sentimentos de contar ou não contar e maior é a necessidade de compartilhar suas vidas com seus pais e tentar ter o apoio e o companheirismo deles.

Este é um assunto dolorido.
Muitos adiam ao máximo a hora de contar aos seus pais sobre a homossexualidade como formar de proteger os pais da decepção que acham que lhes causarão.

Outros se sentem tão asfixiados e conflitados que chegam ao limite e contam aos seus pais como um ato de desespero, como um pedido extremo de colo. 

Infelizmente a maioria não receberá colo de seus pais e, estando em um estado já tão frágil, ainda serão rechaçados e escutarão acusações e perjuras de seus pais, irmãos e familiares.

Esta é a situação na qual a maioria de nós, homossexuais, se encontra.

A cada caso, a cada história, em cada um dos doloridos detalhes de cada filha e filho não aceito, paira a pergunta constante: “O que fazer se meus pais não me aceitam?”

PARA AS FILHAS
PARA OS FILHOS

A resposta para esse pergunta, também infelizmente, não é simples.
Em geral eu peço calma. Peço que se protejam das palavras cruéis que seus pais venham a lhes dirigir. Peço que criem um “escudo” e que não se deixem ferir tanto.

Aos que tem como conquistar independência financeira, façam isso. É mais fácil administrar sua própria vida se você mesma(o) puder pagar por ela.

Aos que ainda não podem sair de casa ou do contato constante com seus pais, peço que tentem “jogar o jogo do contente”, tentando minimizar os conflitos até ter um outro plano de ação, uma outra saída ou outra forma de lidar com tudo.

Se as agressões verbais forem muitas e constantes demais ou, pior, se chegar à agressão física por parte de seus pais ou de qualquer outro familiar, é hora de buscar ajuda de fora. Seja algum membro da família a quem você possa recorrer ou amigos que possam lhe dar apoio e guarida ou alguma ONG de proteção e apoio a LGBTs. Lembre-se que em sua cidade (ou nas proximidades dela) existem pessoas que podem te ajudar e te dar os direcionamentos que você precisa. NÃO PASSE POR ISSO SOZINHA(O)!

Em todo caso, a via de regra é que as coisas melhorem com o tempo.
Seja porque seus pais aprenderam a aceitar, seja porque o que eles fazem ou falam já não te fere mais tanto, seja porque você já se distanciou de vez deles ou seja porque vocês já aprenderam a lidar com as limitações uns dos outros.

O mais importante no momento, para você que está vivenciando esses conflitos em casa, é tentar manter o canal de diálogo aberto com seus pais.

É preciso que você entenda o limite deles, mas, principalmente, é preciso que você saiba do seu limite. Que você se respeite o suficiente para entender aonde termina o direito dos seus pais e aonde começa o seu.

Saiba escutar, mas saiba também falar – mantendo a calma.
Absorver tudo, aceitar tudo, não é saudável! Nem para você que guardará todas as frustrações em si, nem para o relacionamento com seus pais que não crescerá. Muitas vezes o conflito é necessário para haver evolução.

No entanto, é preciso que você entenda que, às vezes, é mais saudável um distanciamento – ainda que temporário – para que você e seus pais reavaliem a importância desse relacionamento e para que se organizem por dentro a respeito do que estão sentindo.

Tentar achar uma pessoa “neutra” como um familiar ou amigo da família para servir de intermédio entre você e seus pais na maioria das vezes ajuda.

Se os seus pais estão dispostos a escutar ou buscar ajuda, o GPH (Grupo de Pais de Homossexuais) é um ótimo apoio! Lá eles poderão conversar com outros pais que estão passando pelos mesmo que eles e de forma totalmente confidencial e privativa. (http://www.gph.org.br/)

Lembre-se sempre de cuidar de si, de buscar ajuda.
Para as meninas, o grupo secreto do Parada Lésbica no Facebook é um ótimo canal para desabafos e para receber apoio de outras meninas que já passaram por isso ou que também estejam no mesmo barco que você (para fazer parte do grupo é necessário que uma pessoa que já faça parte lhe adicione – você pode pedir para mim ou para a Del Torres lhe adicionar).

Leia livros sobre o mundo LGBT. Leia artigos. Veja documentários. Passe emails.
Eu creio no poder da vida. Quando pedimos ao Universo uma solução, Ele nos escuta.

Acima de tudo, saiba que você é exatamente quem você deveria ser!
E que ser homossexual não será sempre tão pesado como parece ser agora.
Vamos aprendendo a lidar com nossas características e com os aspectos que nos formam. Vamos aprendendo a nos dar valor e a nos achar bonitos do jeito que somos.

Sonhe seus sonhos.
Lutes por seus planos, por sua vida, por seu sorriso.

Se você um dia já teve um bom relacionamento com seus pais, as chances de vocês voltarem a ter um bom relacionamento de novo é grande. Apenas é preciso dar tempo ao tempo.

Acredite, todos crescem no processo.

Alguns textos para lhes ajudar:

O que é ser um homossexual

O preço de ser diferente

Devo me assumir? Quando? Como?

Como contar aos pais

# Chegou a hora de contar aos pais? 

Homossexualidade e auto-estima


LIVROS:


Mãe sempre sabe?
Edith Modesto










Papai, mamãe, sou gay!
Rinna Riesenfeld










PARA PAIS E FILHAS(OS)

Se vocês têm questões religiosas (a maioria dos conflitos em geral nasce disso), por favor vejam o documentário “Como diz a Bíblia”, no qual vários mitos a respeito da relação “homossexualidade e religião” são derrubados por líderes religiosos, pesquisadores e intelectuais renomados.

Também estão no documentário vários testemunhos de pais e filhos a respeito da não aceitação. Não há como não se transformar ao ver esses relatos – desde que vocês estejam com o coração aberto ao diálogo, claro.





PARA PAIS QUE NÃO ACEITAM A HOMOSSEXUALIDADE DE SEUS FILHOS

Sei que é difícil.
Que no momento que você soube da sua filha ou do seu filho o peso do mundo caiu sobre você.
Mas saiba que esse é o mesmo peso que a(o) sua(seu) filha(o) carrega todos os dias.

Não se sinta julgado por não aceitar. 
A maioria dos pais – inclusive os que hoje aceitam – um dia sentiu tudo o que você está sentindo neste momento.

Apenas, agora que você sabe, é hora de buscar mais do que nunca, o diálogo.
Muitos pais se distanciam dos seus filhos por conta dos vários conflitos, palavras cruéis trocadas e diferenças de entendimentos acerca da vida.
É necessário que vocês se esforcem, que lutem pelo amor de vocês, pela união do seu núcleo familiar.

Se você me permitir, gostaria de conversar um pouco mais no vídeo abaixo:



Uma ótima dica tanto para as filhas, como para os pais e mães que têm dificuldades de aceitar a homossexualidade de suas filhas, é o documentário "O Segredo dos Lírios":



OBS: Para os que acompanham o Podcast "Um Convite à Oração", já já estaremos de volta! ;]
Obrigada pelas várias mensagens, emails e recadinhos de incentivo! 
Eu e o Artur lemos todos e ficamos super felizes com a companhia de vocês!
Até já já! :]

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Das coisas que só você sabe


O pior é isso: é que você sabe.

Você sabe, por exemplo, que precisa se libertar das expectativas dos outros em relação à você. Você sabe que precisa se libertar das expectativas dos outros em relação às coisas (e pessoas) que você ama.

Você sabe que não deveria importar o que fulano e sicrano diz ou pensa se você está em paz e feliz (e que só isso deveria importar).

Você sabe que deve se culpar menos, que deve se respeitar mais, que deve se permitir ao invés de se censurar.

Você sabe que as suas lágrimas (que você chora escondidas) são os tantos e tantos silêncios acumulados, sãos os tantos e tantos sonhos e desejos que você guarda consigo a sete chaves e com tanto sofrimento.

Você sabe que o seu tempo está passando e que você não está usando-o como você gostaria.

Você sabe que a sua voz, a voz de dentro, te pede repetida e longamente para ser ouvida.

Você sabe que os teus medos vêm se acumulando, se empilhando em cima de você e em cima dos teus ombros e que o peso deles têm sido insuportável.

Aí vem aquela pergunta horrível, aquele questionamento cruel, cujo conteúdo você também conhece tanto:

Se você sabe, por que não consegue mudar tudo isso? Por que você não consegue simplesmente viver a vida que gostaria? Ser a versão de você que está aí dentro?

Entenda, a vida é algo construído.
Minuto a minuto, dia a dia, ano após ano vamos fazendo “escolhas” que dão forma à nossa vida.

Coloco o “escolhas” entre aspas porque você e eu somos grandinhas e à essa altura da vida sabemos bem que nem sempre o que “escolhemos” é realmente uma escolha nossa.

Muitas vezes fazemos apenas o que achamos que devemos fazer.


Outras tantas fazemos o que nossos pais ou nossos amigos ou nossos familiares acham que deveríamos fazer.


E outras tantas mais apenas “escolhemos” o caminho menos difícil para aquele momento (o que na maioria das vezes não quer dizer que ele seja o menos difícil à longo prazo).

Além disso tudo, há a movimentação natural da vida.
Ou seja: o tempo passa.

E não é porque você fez uma escolha há dois, cinco, dez, vinte anos atrás que essa escolha seja ainda o que você quer hoje.

Mas em nossa sociedade de rótulos e adjetivos, ai de você se você se descobrir alguém diferente de quem um dia foi! Ai de você, que sempre viveu uma vida heterossexual, de repente descobrir que ama mulheres, ou que deseja imensamente uma, ou que se apaixonou por sua melhor amiga, ou que você não é bem quem você achava que era, ou que não gosta de quem achava que gostava.

E você sabe tanto disso que cala tudo em si.
Sabe tanto que chora escondida e que não permite ser você mesma nem para as pessoas mais próximas.


O peso disso tudo você também sabe.
Íntima e profundamente.

E eu gostaria de te dizer que é fácil, que existe uma saída mágica para tudo isso, que tudo o que você precisa fazer é isso, isso e aquilo.

Mas a verdade é que a vida da gente é como a nossa própria digital: os caminhos dela, as razões, os por quês, o que você pode e o que você não pode, o que você consegue e o que você não consegue, o que você quer e o que você não quer... tudo isso é pessoal e subjetivo demais. Só você sabe.

Mas o que eu posso te dizer é o seguinte: as tuas dores são da exata medida do teu desespero; e o teu desespero é da exata medida do teu desejo de mudança; e o teu desejo e mudança é da exata medida da força que você tem em si.

Então se você acha que não agüenta, que não é forte o suficiente para destruir o seu mundo atual para criar um novo mundo para si, se você acha que o seu medo é maior do que tudo, lembre-se disso: o teu medo é exatamente proporcional à tua força. Eles são medidos pela mesma intensidade.

E, de cá, fico apenas desejando: desejando que as coisas que só você sabe se tornem grandes o suficiente para explodirem: e que dessa explosão nasça você: no exato formato que você sonha e deseja.

E você sabe, querida, como sabe!


~~~~~~~~

Algumas observações:

Obs1: Desculpem pela ausência, tentarei não passar tanto tempo sem vir aqui (mas me cobrem, tá? ando safada, rs, gosto [e preciso] de puxões de orelha! :P)

Obs2: O projeto do "Um Convite à Oração" não morreu!! Eu e o Artur apenas andamos desestimulados, chateados com o pouco número de pessoas que querem e verdadeiramente acompanham o podcast! :/  Mas justamente em respeito à essas pessoas (e porque amamos esse projeto de verdade) não desistiremos! Mas estamos estudando mudar a frequência do programa para quinzenal ao invés de semanal. Logo, logo posto mais notícias sobre isso.

Obs3: Saíram os vídeos do II Leskontro Cultural da Ilha de Lesbos, que aconteceu em Sampa em Março!

Seguem abaixo: 

1ª Palestra - Helena Paix
Relacionamento Lésbico e Infidelidade



2ª Palestra - Liana Carmo
Maternidade Lésbica
(Não deixe de visitar o blog da Liana: http://maternidadelesbica.wordpress.com/)



3ª Palestra - Papi
Defesa Pessoal para Mulheres



4ª Palestra - Helena Paix
Sexo Lésbico e Como se proteger de DSTs
(não deixe de ver também o post da Sadie Lune no Parada Lésbica sobre isso)



Agradecimento especial à Thais Tatu Maranho, cantora talentosíssima da banda Lady Fingers, que fez a filmagem e a belíssima edição! Curte a páginas delas no Facebook, tá?
É só ir AQUI para conferir o som apaixonante delas! Aproveita enquanto elas não ficam famosas demais! ;]

Quer uma canjinha da banda Lady Fingers?
Opa, demorou! :]